O MUSICAL

Poesia do Sertão

 

O espetáculo mescla música, interpretação, canto, declamação, narrativa e, inclusive, improviso a pedido da plateia, em uma linguagem poética tipicamente nordestina, com cenografia característica sertaneja e iluminação artística, conduzindo o espectador em uma viagem sonora e visual pela essência da poesia popular do Sertão do Nordeste.

 

O fio condutor do espetáculo é a trilha musical, pesquisada e produzida sob a influência das raízes da música sertaneja nordestina, numa releitura de melodias das toadas do Repente, da tradição popular – violeiros improvisadores, bandas de folguedos, aboiadores, rodas de coco –  e das vertentes ascendentes na hereditariedade da musicalidade universal que desaguam no Sertão Nordestino – clássica, barroca, sefardita, magrebina, árabe, ameríndia e Africana – e fazem da música sertaneja nordestina, ao mesmo tempo, regional e universal. Harmonizações e timbragens contemporâneas adornam o repertório com recursos sonoros de pedais e sintetizadores agregados a instrumentos como o pífano e a rabeca. A percussão vai do triângulo ao cajón e elementos da bateria e a base harmônica e melódica conta com violoncelo, flauta transversal, rabeca, pífano, violas e violões. Canções de Paulo Matricó, João Santana e Chico de Assis, especialmente compostas ou selecionadas para o contexto do espetáculo, são inseridas harmoniosamente no decorrer da narrativa, fazendo deste uma homenagem rica e autêntica aos mestres da poesia do Sertão.

 

O espetáculo terá sua abertura com música instrumental proveniente da pesquisa relatada e, em declamação poética serão evocadas as “Musas da Poesia”. Daí por diante, são intercaladas estrofes imortalizadas dos grandes mestres do Repente e composições de Chico de Assis, João Santana, Fabiano Medeiros e Paulo Matricó, que retratam a vida dos sertanejos e cantadores nordestinos, o cenário natural e ambiente social de surgimento e de ocorrência atual da arte do Repente. Num dado momento, os repentistas Chico de Assis e João Santana atenderão a solicitações da plateia, interagindo com o público de modo espontâneo e descontraído em diversas modalidades do Repente ao som das violas nordestinas e declamarão poemas matutos, além de discorrer em homenagem aos mestres da cultura popular.

 

Em consonância com o nome do Projeto, as composições de Paulo Matricó que integrarão o repertório do espetáculo, além de terem influências do formato poético do Repente, com uso de métrica semelhante e rimas, retratam a vida dos sertanejos e cantadores nordestinos e o cenário natural e ambiente social de surgimento e de ocorrência atual da arte do Repente. Além disso, os intérpretes, Chico de Assis, João Santana e Paulo Matricó, são excelentes declamadores de poesia nordestina e recitarão estrofes imortalizadas de Patativa do Assaré e alguns dos grandes mestres do Repente intercaladas com as músicas inspiradas pela Arte do Repente.

Share This